Dia do Merlot: uma nova oportunidade para descobrir o vinho argentino

Merlot argentino

Oiê! Como vocês estão? Eu estou super bem: curtindo o Halloween! Devo confessar que já não comemoro como antes, é óbvio, mas as decorações divertidas e as crianças fantasiadas pelas ruas me trazem boas lembranças… 

Agora é a minha vez de dar doces ao invés de recebê-los: virei cringe!  Por isso, celebro a data do meu jeito: aprendendo e curtindo um bom vinho! Desta vez, estou interessada no Merlot argentino. 

Alguns amigos me recomendaram visitar a Gary’s Wine & Marketplace, uma vinoteca muito cool da cidade. E eu adorei! Foi lá que fiquei sabendo que sobre o “Dia do Merlot”. 

Ok, com certeza vocês estão se perguntando do que se trata. Claro, nem tudo são esqueletos, zumbis e abóboras nesta época. O vinho tem seus próprios hashtags e descobri-los é toda uma trip. Agora vou contar um pouco a vocês. Listen before I go, como canta Eillish.

Merlot argentino

Merlot argentino? Primeiro, a origem desta importante variedade 

O Merlot é uma cepa que, como outras, nasceu em Bordeaux, na França, com a finalidade de elaborar vinhos tintos. Começou a se popularizar a meados do século XIX. Seu nome vem do pássaro melro, porque suas plumas têm a mesma cor azul-escuro das uvas. E olha que fantástico! Como sempre, tudo começa e termina na natureza.

Depois do Cabernet Sauvignon, o Merlot é a variedade mais cultivada no mundo. 

Seus vinhos são suaves, aromáticos e elegantes. Li que são muito versáteis e deliciosos para acompanhar carnes vermelhas e peixes. Hummmm… quer saber outras harmonizações top? Queijos como o azul e o parmesão são ótimos pares. Prefere uma alternativa veggie? Opte por cenouras e abóboras assadas, um clássico.

A cor dos Merlot é um vermelho rubi intenso com toques violetas, uma mistura que o faz muito atrativo à primeira vista. Adoro!

Merlot argentino, as chaves para descobri-lo

Coloquei a bússola no sul e, bem ao estilo Nicky, fui direto e reto à Argentina, o país dos vinhos que eu mais gosto. 

Tem Merlot argentino? Sim, tem. Óbvio. Existe desde o século XIX, apesar de que esta cepa não é a mais popular. Mas fiquei sabendo que já foi, apesar de sua produção hoje ser menor em comparação a outras variedades como o Malbec, a cepa emblemática do país. 

Mas, nos últimos anos, o Merlot argentino está voltando a brilhar e pede passagem. Isso deixa as coisas interessantes: é um desafio para os exploradores, como eu. 

Há pouco eu lhes contei sobre o terroir e os vinhos de altura. Bem, as uvas de Merlot crescem em terroirs frios e altos, com solos argilosos. Parece que em toda a Argentina só existe 5.000 hectares dedicados ao Merlot. Isso significa que cada garrafa é única, sendo imperativo desfrutá-la ao máximo.

Adivinhem onde ficam os maiores vinhedos de Merlot do país? Em Mendoza, rá! A sua principal região de cultivo é o Valle de Uco, um verdadeiro farol para os amantes do vinho. 

Mas isso não é tudo: também têm outras províncias da zona, como San Juan, e Rio Negro e Neuquén, na Patagônia, um lugar divino que conheci por fotos e para onde espero poder viajar algum dia. Talvez depois de ir à Festa da Vindima… Às vezes tenho a fantasia de largar tudo e sair de viagem para sempre.

Merlot argentino

Um sabor especial

Outra coisa: como os flocos de neve, não existem dois Merlot iguais. Inclusive, eles são bem diferentes segundo a parte do mundo onde se elaboram. O aussie, por exemplo, não é como o da Califórnia, nem o francês é como o italiano. 

Na sua versão argentina, o aroma é marcado por groselhas, pimentão-doce, cedro e especiarias, e o sabor destila notas frutais.

Além disso, é uma cepa que se beneficia do clima frio. Por isso costuma ser cultivada em altura ou em regiões do sul do país, onde as temperaturas são as mais baixas.

Quero deixar a vocês algumas recomendações de Merlot argentinos para que julguem por si mesmos e entrem na aventura. Por exemplo, se estão começando, podem optar por Humberto Canale Estate Merlot, Kaiken Ultra Merlot de Luján de Cuyo ou Casa Ambrosia Merlot, do Valle de Uco. 

Por outro lado, se já se sentem preparados e preparadas para dar um passo a mais, experimentem o Riccitelli Old Vines from Patagonia Merlot, o Rutini Single Vineyard Altamira Merlot ou o Pulenta Estate Gran Merlot.

Tomara que vocês celebrem um grande Dia do Merlot junto de uma deliciosa taça de vinho argentino. Se me dão ouvidos e sacam a rolha de uma garrafa desse país, podem me contar aqui o que acharam? Cheers

Gostou desta informação? Continue a ler sobre os vinhos argentinos: Vinhos tintos imperdíveis da Argentina

Comments

No comments yet. Why don’t you start the discussion?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *