Tempo de vindima: a hora de fazer o vinho

O que é a vindima

Oi, amigos e amigas! Como vocês estão? Volto a transmitir daqui. Parece incrível, mas o verão já se foi. 

Eu gosto dos contrastes do outono: seu frio não tão frio, seu calor não tão caloroso e, acima de tudo, suas cores, milhares de folhas alaranjadas, marrons e amarelas que tingem as ruas e parques da cidade, como postais de um conto de Dickens.

Também ocorre algo importante que aprendi recentemente: é a época da vindima. O que é a vindima? Basicamente, é o processo de coleta das uvas que serão usadas para fazer o vinho (e uma nova matéria para a minha cultura de wine lover, rá!).

O meu guru me explicou que começa no verão e finaliza no outono, temporada em que a Califórnia se agita especialmente, na região onde ficam os vinhedos mais importantes dos EUA.

O que é a vindima 

Nem bem o Alex me disse isso, eu logo imaginei as pessoas trabalhando nos vinhedos, na solidão. Mas nem sempre. 

As vinícolas organizam grandes eventos que atraem milhares de pessoas. Se realizam degustações, refeições coletivas, dias de campo: diversas atividades. 

Inclusive convidam os turistas a ser parte do processo de colheita das uvas e da produção de vinhos. É como uma grande celebração pelo trabalho duro realizado durante o ano para proteger, cuidar e colher os frutos.

Ok, essa ideia de ritual coletivo me fascina. É claro que após falar com ele, eu continuei as minhas próprias pesquisas para descobrir mais sobre o que é a vindima, como sempre. 

Por exemplo, li que as duas regiões produtoras mais importantes são Napa e Sonoma, onde estão as rotas do vinho.

Seria demais poder ir algum dia! Percorrer as estradas ao som de California Gurls, de Katie Perry. Hit the road, Jack! 

Qué es la vendimia

Uma festa nacional

E na Argentina, a terra da mamãe e do vinho que eu gosto? Bem, parece que por lá a vindima é algo grandioso, inclusive bem mais que na Califórnia. 

Se bem todos os países que produzem vinho têm vindimas, lá eles dão um passo além: é a mais importante do mundo. Eu li sobre isso. A vindima ocorre entre fevereiro e março, verão no hemisfério sul. 

A colheita das uvas termina com uma celebração imensa: a “Festa da Vindima”, um verdadeiro evento nacional que preserva as tradições e a identidade cultural do vinho. Que divertido! Se realiza todos os anos na província de Mendoza e é considerado um dos espetáculos mais importantes da América do Sul.

Esta festa inclusive é comparada com o nosso Dia de Ação de Graças. Ocorrem desfiles, atos, recitais, encontros, danças. E muitos brindes, é claro! Além disso, atrai muitíssimos turistas de todas as partes do país e também do resto do mundo para celebrar o vinho.

Vi várias fotos maravilhosas. Cenários enormes, cheios de dançarinos, as ruas iluminadas, fantasias coloridas, muita gente, sorrisos por todos os lados. 

E não é um evento isolado da cidade de Mendoza: nos povoados da região e arredores se vive o mesmo clima de festa através das celebrações locais.

Em sintonia com as mudanças do mundo, a Festa da Vindima também evolui. Por um lado, se atualizou com a incorporação da Vindima Gay, uma festa queer para curtir o vinho e a diversidade. Maneiro demais!

Por outro, a celebração ocorreu em 2021 de maneira virtual, com o eixo na “História da Vindima”. Inclusive, até foi feito um filme ótimo sobre o tema: https://www.youtube.com/watch?v=14kTBhy0SvY

Eu adoraria poder ir algum dia a Mendoza, bem antes do outono! Talvez no ano que vem… Não seria nada mal fugir do inverno novaiorquino por algumas semanas e continuar aprendendo sobre a vindima.

Qué es la vendimia

A hora do vinho

Após a colheita nos vinhedos, chega a hora de processar as uvas e produzir o vinho. O que haverá de bom logo depois nas bodegas argentinas? 

Segundo o que Alex me falou, na Argentina os Malbec prometem de ponta a ponta, da Patagônia aos Valles Calchaquíes, uma região com vinhedos até os 3.100 metros acima do nível do mar. Incrível! Enquanto isso, ele me sugeriu experimentar um Cabernet Sauvignon argentino do Valle de Uco, uma região de Mendoza que está na boca de todos os especialistas. Ótima ideia. 

Por aqui, lentamente, os dias começam a encurtar, o frio se prepara para voltar e ambas são cepas ideais para curtir no aconchego do lar. 

Óbvio, nem todos os anos são iguais e nem sempre se beneficiam as mesmas variedades. Isso depende muito do clima, que é um fator-chave. Por isso é importante perguntar sobre as colheitas e seus resultados. 

Minhas investigações vão crescendo. Desde aquela primeira aproximação até hoje, tenho informação sobre vinhos brancos, rosados, tintos, doces, veganos: um pouco de tudo! A minha mesa é um caos de anotações, como a de Kate Winslet em Mare of Easttown, mas amo que seja assim. 

Também tenho um amigo que me orienta e me dá muitas informações sobre a Argentina, suas uvas e sua Festa da Vindima… Estou indo bem. Mas o mais divertido de tudo é que estou curtindo cada passo. 

E qual vocês acreditam que será o meu próximo aprendizado? Quero saber o que vocês acham! E logo saberemos se acertaram!

Quer aprender mais sobre os vinhos argentinos? Então não perca esta matéria: Vinhos argentinos de verão: muito mais que um amor passageiro

Comments

No comments yet. Why don’t you start the discussion?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *