La Rioja: a região pouco conhecida da Argentina que elabora tintos e brancos andinos

Vinhos de La Rioja

A Cordilheira dos Andes é muito maior e mais diversificada do que um cartão postal de altos picos nevados. Na verdade, ao longo de sua geografia irregular, abrange salinas, vales profundos, vulcões e um grande número de serras montanhosas muito particulares. É o que acontece, por exemplo, nos vales paralelos de La Rioja, uma província pouco conhecida fora da Argentina, que oferece vinhos que expressam as singularidades do lugar com identidade e terroirs únicos.

“Não há nada melhor do que provar um Torrontés feito em La Rioja”, garante Juan Banno, enólogo da Bodega San Huberto, uma das vinícolas que tem como bandeira esta variedade de uva crioula, amplamente plantada no noroeste da Argentina, que se caracteriza por seus aromas florais intensos e perfumados.

Inclusive, esta é uma das principais características dos vinhos de La Rioja: o Torrontés Riojano cobre 2.050 hectares contra quase 800 do Malbec, de um total de 7.700 hectares, conforme os últimos dados disponíveis (2020).

Vinhos de La Rioja

Vinhos de La Rioja: com personalidade própria

Depois de Mendoza e San Juan, La Rioja é a terceira província que mais produz litros de vinho na Argentina. A maioria da sua área cultivada encontra-se nos Valles de Famatina, um oásis produtivo de clima quente e pouca pluviosidade, localizado entre as serras de Velasco e de Famatina, a oeste da província.

Mas outros vales de La Rioja — como Aminga, Ângulos ou Chañarmuyo — também contribuem com suas identidades para a crescente diversidade exibida pelo vinho desta região com uma longa história associada à viticultura.

Recentemente, as vinícolas de Mendoza começaram a explorar a zona para obter uvas premium. Com uma boa concentração de tintos, os vales andinos proporcionam frescor e uma colheita diferenciada à da época de Mendoza. Isso, somado a uma paisagem dramática, como a da Serra de Famatina — com sua neve eterna de 6.070 metros ou os desfiladeiros de arenito do Parque Nacional Talampaya, entre outras atrações naturais — conferem a La Rioja uma paisagem vitícola única.

“Dentro de La Rioja existem várias regiões com microclimas muito particulares. A Serra de Famatina, por exemplo, garante noites frescas que fazem muito bem às nossas uvas”, explica Javier Collovati, engenheiro-agrônomo e gerente de produção da Bodega Valle La Puerta.

Vinhos de La Rioja

Alturas e vales

Como em quase toda a Cordilheira, a altura é o fator determinante na elaboração dos vinhos. Principalmente em La Rioja, cuja latitude é relativamente baixa (29° 14′ em Chilecito). Um exemplo da variedade de terroirs é dado pelas alturas em que os vinhedos são plantados, que variam de 900 metros acima do nível do mar no Vale de Chilecito, em Famatina, a 1.400 no Vale de Aminga e 1.850 em Angulos, pouco antes de 1.650 no Vale de Chañarmuyo.

Explorar essa diversidade é um elemento chave para o desenvolvimento de vinhos com distintas identidades. 

“Nos últimos anos, La Rioja foi encontrando sua personalidade”, acredita Matías Tomás Prieto, da Bodega Chañarmuyo , estabelecida no vale de mesmo nome. “Sempre foi um híbrido entre Mendoza e Salta, que marcam os extremos: com vinhos altamente concentrados, até agora bastante quentes, La Rioja soube como melhorar seu ponto de colheita e demonstrar o que realmente pode oferecer”.

Colovatti concorda: “Nos últimos anos temos visto um crescimento significativo na qualidade do vinho, devido ao trabalho inicial nos vinhedos para diferenciar setores na propriedade que produzem diferentes qualidades. Desta forma, no momento da vindima, poder direcionar essa produção para as diferentes linhas de vinhos”. 

Já a partir da etapa de poda fazem um manejo diferenciado para os distintos solos aluviais: “Temos muita variabilidade e, portanto, uma grande diferença entre os lotes de cultivo; é muito importante poder diferenciá-los e podá-los de forma seletiva”, afirma.

Vinhos de La Rioja

Varietais tradicionais e inovadores

Como mencionamos no início, o Torrontés Riojano é a variedade estrela desta província. “As notas florais características estão sempre presentes em seus aromas”, descreve Juan Banno. Às flores de laranjeira e às rosas se adicionam traços de frutas que se misturam entre as tropicais e as cítricas.

Estrutura média e acidez de moderada a baixa costumavam ser a norma nestes vinhos, embora a procura por uma colheita mais precoce tenha sido crucial para dotar estes vinhos de frescura. “A época da colheita é muito importante para obter um produto de qualidade e para isso são realizadas degustações dos frutos, ajudando a definir o momento ideal para a colheita”, explica Javier Collovati.

Os tintos de La Rioja são dominados por Malbec e Cabernet Sauvignon, seguidos de perto por Bonarda e Syrah. “Se caracterizam por cores intensas, grande riqueza aromática e gustativa, com taninos maduros”, descreve Banno. Também é possível encontrar vinhos de outras variedades tintas não tão associadas no imaginário com La Rioja, como Tannat e Cabernet Franc, vinificadas como varietais ou como componentes de vinhos de corte. E o mesmo pode-se dizer das variedades brancas.

“Hoje você pode fugir das variedades clássicas dos vinhos de La Rioja e encontrar excelentes Malbec, Tannat, Chardonnay, Cabernet Franc e até espumantes de alta qualidade”, define Matías Tomás Prieto, que acrescenta: “Ainda há muito por descobrir em La Rioja. Hoje os vinhos argentinos têm a identidade de cada uma de suas zonas de origem, porque falam do que um terroir expressa, e neste contexto o atual vinho proveniente de La Rioja está gerando sua identidade”.

A receptividade do consumidor internacional favorece o vinho de La Rioja, acredita Prieto. “O mercado internacional precisa encontrar coisas novas na Argentina. Já saímos do Malbec argentino para focar nos Malbecs e outros varietais de suas províncias, de diferentes regiões e diferentes sub-regiões, e há uma ótima receptividade em relação aos vinhos de La Rioja”.

Convidamos você a descobrir outras regiões vinícolas da Argentina: https://blog.winesofargentina.com/pt-pt/breaking-pt/ruta-40-argentina/

Comments

No comments yet. Why don’t you start the discussion?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.