Uma visita a Cafayate para sentir a essência dos vinhos saltenhos

Vinhos de Cafayate

Olá, winelover! Como você está? Espero que super bem! Hoje tenho muito para contar. Chegou a vez de viver uma nova aventura: vou provar os vinhos de Cafayate, em Salta. 

Depois de várias recomendações, decidi dar um passo além e mudar de província. Me disseram que uma verdadeira rota do vinho argentino não estaria completa sem experimentar os vinhos de Cafayate. Por isso, comprei a minha passagem de ônibus de viagem e aqui estou.

Localizada em meio aos Vales Calchaquíes, esta região é famosa por suas montanhas, e também por suas vinícolas. 

Seus caminhos em zigue-zague, suas cores e suas paisagens majestosas, como a imponente Quebrada de las Conchas, o tornam um lugar único. Dias ensolarados, noites frias e poucas chuvas configuram um clima ideal para a produção de vinhos de altitude. 

Vou compartilhar com você algumas dicas para curtir ao máximo esta região mágica. Aperte os cintos e bora começar!

Vinhos de Cafayate, o sabor da altitude

El Esteco: conforto e tradição

Após fazer escala na cidade de Salta, percorri os quase 200 quilômetros que a separam de Cafayate e me instalei aqui. A primeira parada da minha trip saltenha foi a bodega El Esteco. Rodeada por montanhas, cactos e vinhas, El Esteco é um verdadeiro oásis na região. 

Está no cruzamento das estradas 40 e 68, a 1.700 metros acima do  nível do mar. Atualmente tem 800 hectares plantados e produz 7 milhões de litros de vinho por ano. É a maior vinícola da região. 

A chácara é linda. Nela funciona um hotel e também um restaurante, ambos chamados “Pátios de Cafayate”. Seu casco histórico data do princípio do século XVII, numa fusão da arte colonial espanhola com a tradição saltenha. Percorrê-lo significa se perder entre postais, sabores e aromas típicos de Salta, uma verdadeira viagem no tempo. 

Existem várias alternativas para descobrir a vinícola. Você pode, por exemplo, visitá-la com um guia e conhecer como são produzidos os seus vinhos. Se você for fã de aventura, passear a cavalo entre os vinhedos é uma opção bem divertida. 

Mas, se preferir o abrigo da noite, eu te recomendo compartilhar uma experiência sob as estrelas com alguns pratos típicos aos pés de uma maravilhosa fogueira. É óbvio que tudo vai terminar com uma degustação dos melhores vinhos da vinícola.

Já sei, já sei. Você quer as minhas recomendações. Eis aqui alguns rótulos imperdíveis da El Esteco: a linha Old Vine conta com um dos Torrontés mais deliciosos que provei, bem como uma das Criollas mais expressivas. Além disso, eu descobri um Blanc de Blancs de Marsanne, Roussanne, Viognier, Chardonnay e Torrontés que simplesmente me deixou maravilhada.

Vinhos de Cafayate

El Porvenir: inovação e identidade

Seguindo o caminho dos vinhos de Cafayate, chegamos na segunda escala do tour: El Porvenir. É uma vinícola familiar que faz parte de uma geração de jovens empreendedores, nascidos no final do século XX. 

“El Retiro”, sua chácara principal, fica a apenas algumas quadras da praça central de Cafayate e do terminal de ônibus. Por isso, é ideal para ir caminhando. Porém, não se deixe enganar pela proximidade, pois a natureza se faz presente a cada passo. 

Atualmente, 60% da produção de vinhos da El Porvenir é exportada. A vinícola trabalha com barricas de carvalho francês e americano, com cerca de 35 linhas de vinhos… Uma grande variedade!

Há diferentes atividades para fazer na chácara. Você pode visitar o estabelecimento e conhecer todos os passos da produção de seus vinhos, descobrir os segredos de suas uvas e terroirs e até mesmo saborear um almoço feito com deliciosos ingredientes regionais. Se você preferir, também pode optar por um piquenique, para se conectar ao máximo com a paisagem e curtir sua natureza espetacular. 

Uma dica de ouro: as aulas para aprender a fazer empanadas. A Carmen pode te ensinar como preparar esta típica delícia argentina, enquanto você acompanha a experiência culinária com uma taça de Torrontés, uma das estrelas de Cafayate. 

E é claro que nenhuma aventura ficaria completa sem as minhas recomendações, por isso aqui vão os destaques da El Porvenir: Laborum de Parcela Torrontés Finca El Retiro e Laborum de Parcela Tannat Finca Rio Seco, dois hits de dar água na boca.

Vinhos de Cafayate

Amalaya: vinhos sustentáveis e de altitude

Para finalizar a primeira parte desta aventura saltenha, visitei a  Amalaya, uma vinícola especializada em vinhos sustentáveis de altura, que nasceu em 2010 como um derivado da Bodega Colomé. 

Larisa e Cristoph Ehrbar, seus fundadores, são herdeiros dos pioneiros Donald e Úrsula Hess. Eles viram algo mágico em Cafayate e se apaixonaram pelo lugar, no qual identificam “altas vibrações”.

Na língua indígena, Amalaya significa “esperança por um milagre”. Como os povos que os precederam, eles dão muita importância ao cuidado com o meio ambiente e a preservação do terroir. Os vinhos de corte, ou seja, aqueles produzidos a partir da combinação de várias cepas, são as estrelas da bodega. 

Seus pilares fundamentais são o respeito pelo entorno, pelas pessoas e pela cultura do vale. Sob estes preceitos, produzem vinhos frescos e frutais, de cor intensa e grande personalidade, todos com a supervisão do enólogo Jorge Noguera.

A vinícola é aberta ao turismo desde 2022, o que significa que visitá-la é um programa imperdível e recente. Recomendo o seu maravilhoso winebar, um espaço ideal para degustar algumas de suas melhores taças na companhia de alguns petiscos, aos pés da majestosa montanha San Isidro. 

Os vinhos que eu sugiro da Amalaya são, para começar, o Blanco (90% Torrontés e 10% Riesling) e entre os tintos, o Gran Corte (85% Malbec com 15% Tannat e Cabernet Franc).

Então é isso. Fico por aqui com o meu registro sobre os vinhos de Cafayate. De volta à cidade, não deixe de visitar a praça principal,  a igreja e o mercado de artesanatos, três lugares imperdíveis para mergulhar a fundo na cultura desta região maravilhosa. Até a próxima aventura!

Vinhos de Cafayate

Continue curtindo mais informações e dicas sobre os vinhos de Cafayate clicando aquí.

Comments

No comments yet. Why don’t you start the discussion?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *