Efeito Andes: como a altitude determina o estilo dos vinhos argentinos

Vinhos de altura argentinos

O cartão postal dos vinhos de altura argentinos são as cadeias de montanhas dos Andes ao fundo e essa, entre outras, é uma grande marca de sua identidade. O motivo é concreto: A Argentina, o quinto maior produtor mundial, se especializa na fabricação de vinhos de altitude simplesmente porque a metade de sua superfície cultivada se desenvolve aos pés desses montes gigantescos.

Se a parte, ou uma rolha, vale pelo todo, o Valle de Uco tem todos os seus vinhedos (30.000 hectares) a mais de 1.000 metros de altura, e algumas parcelas chegam a 1.600 e 1.900 metros. 

Os extremos, claro, são uma constante nesta região, mas também nos setores do norte do país. É que dos Vales Calchaquíes a Humahuaca e de Fiambalá ao Chilecito, passando pelo coração de Luján de Cuyo, os vinhedos argentinos marcam um pico no mapa da altitude mundial.

“O efeito da Cordilheira dos Andes sobre o clima nos diferentes terroirs da Argentina é o que nos permite elaborar vinhos diversos, algo que o Malbec reflete perfeitamente. Como sabemos, em altitudes elevadas, a temperatura média diminui e, devido às encostas e à elevação dos vales da montanha, podemos passar de condições calorosas a frias numa distância de apenas 100 quilômetros — de Barrancas, em Maipú, a Tupungato, no Valle de Uco — enquanto, na Europa, uma mudança semelhante implica percorrer seis vezes essa distância, por exemplo, da Toscana a Alsacia”, explica Martín Kaiser, chefe de vinhedos em Doña Paula.

Por isso, cada vez mais bodegas no país falam de vinhos de montanha ou de vinhos de altitude. É uma espécie de efeito orgulho: o que marca a diferença é também um ponto de apoio e distinção.

Nesse sentido, saber que efeitos de terroir a altitude oferece e como modifica os vinhos feitos com uvas de altura podem ser dados interessantes para as e os consumidores.

Vinhos de altura argentinos

Vinhos de altura argentinos

Se hoje alguém se pregunta como as terras de altura funcionam, na bibliografia local existe pelo menos uma dezena de estudos com aval de revistas científicas de prestígio, que abordam o fenômeno. Há diversas assinaturas, como de Ariel Fontana, Fernando Buscema, Martín Kaiser e Roy Urvieta, mencionando somente pesquisadores argentinos que, tanto em universidades como em centros privados como o Catena Institute of Wine, se focam em desentranhar esse efeito. Resumindo, é possível afirmar o seguinte:

Moderador de temperatura

É o efeito mais conhecido e o que permite plantar vinhedos do trópico de Capricórnio até o sul da Argentina. E a cada 150 metros – para estabelecer um parâmetro, já que o valor também muda com a latitude – acima, em um ponto do mapa, a temperatura média descende 1°C.

Assim, um vinhedo plantado a 1.000 metros, em comparação com outro a 1.600, oferece uma diferença de temperatura média em torno dos 4°C. Enquanto o primeiro estará em una zona moderadamente quente, o segundo se localizará em uma zona fria. 

E se sabe que terão diferentes estilos: enquanto o calor origina tintos frutados, de estrutura e frescor moderado, as zonas frias produzem aromas mais herbais e florais, com taninos mais firmes e acidez constante.

Maior radiação 

Como é fácil deduzir, à medida que se sobe, a radiação solar também aumenta. Enquanto no nível do mar o sol tem 100% da atmosfera para filtrar seu poder, a 2.000 metros essa capacidade sofre 30% de redução. Em outras palavras, a radiação aumenta na mesma proporção em que a altitude aumenta. Os resultados são notáveis em vinhos de altura argentinos. 

De acordo com pesquisas, a planta funciona sob um modelo de estresse: enquanto a resposta mais óbvia é que produz mais cor, como mecanismo de defesa, também regula a síntese de compostos fenólicos de outra maneira, ao modificar o comportamento de hormônios importantes. Quanto aos tintos, ganham estrutura e cor.

Noelia Torres, enóloga da vinícola Marchiori & Barraud, contribui: “Em altitudes mais elevadas, o efeito da radiação solar produz o desenvolvimento de uma casca mais grossa como efeito de defesa das uvas para proteger as sementes. No caso dos tintos, isso se traduz em uma possível maior concentração de cor e potencial tânico, que dependerá do manejo da copa da planta. Logicamente, isso requer um trabalho preciso de maceração e extração, mas, acima de tudo, garante um caráter distintivo ao Malbec, conforme a origem das uvas”.

Vinhos de altura argentinos

Há outros efeitos, no entanto, que não se associam à altitude em si, mas aos Andes como fornecedores dessas condições.

O mais evidente e consistente é físico. Conforme maior a altura, maiores são as encostas e mais novos são os solos. Além disso, os materiais oferecidos pelas montanhas mudam de um ponto para o outro pelos rios e pelas ações próprias da gravidade.

De todas as formas, a combinação de solos e alturas propõe uma espécie de quebra-cabeça no qual as primeiras configurações de terroir apenas estão começando a ser decifradas. No entanto, uma coisa é certa: a altitude é peça chave para interpretar boa parte dos vinhos de altura argentinos.

Se você gostou deste artigo, certifique-se de aprender detalhes sobre https://blog.winesofargentina.com/pt-pt/breaking-pt/novos-estilos-de-malbec/

Comments

No comments yet. Why don’t you start the discussion?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.