Panna cotta com cerejas da Patagônia argentina: o luxo do verão

Panna cotta

Há anos, a Argentina se destaca como grande produtor de cerejas de alta qualidade: as frutas cultivadas no país se sobressaem por seu calibre, sua polpa carnosa e sua suculência, sendo exportadas para mercados de todo o planeta. 

O toque doce e ácido de uma cereja fresca é sem dúvida o acompanhamento perfeito para uma taça de espumante. Mas, também, para ser protagonista em receitas doces e salgadas. Por isso, uma experiente cozinheira nos ensina a seguir como fazer em casa uma sobremesa memorável.

Panna cotta e muito mais

A cozinheira Paula Chiaradia, proprietária do restaurante Fonda Sur Bistró y Almacén, em Trevelin, na província de Chubut, é especialista em produtos da Patagônia e baseia sua proposta gastronômica nas delícias encontradas na região: cogumelos únicos (como, por exemplo, os cogumelos comestíveis conhecidos na região como “morillas”), frutos vermelhos do bosque (groselha, sabugueiro, rosa-mosqueta), cordeiro, truta de rio e muito mais.

Panna cotta

Chiaradia viajou por todo o país trabalhando em distintas cozinhas profissionais e em seus anos de formação passou pelo mítico restaurante ElBulli, do renomado chef espanhol Ferrán Adriá. 

Há tempos ela vive neste pequeno povoado galês, onde além de levar adiante seu restaurante — sempre em contato com todos os produtores da região — dá aulas de culinária e compartilha seu conhecimento com nativos e turistas do mundo todo. 

“Cozinhar e viver na Patagônia exige ser ao mesmo tempo forte e sensível, aprender a se adaptar às mudanças e ser criativo. Ser patagônico é fluir em harmonia com a natureza e compreender que somos parte, mas nada nos pertence. A cozinha sulista tem a rusticidade, o calor e os sabores do bosque, do lago, dos prados. Cozinhar na Patagônia é sentir as estações, o fogo, a água, o canto dos pássaros, a neve, as cores, os aromas…”, se entusiasma.

Como ela também é uma grande confeiteira, as cerejas de verão não faltam entre as opções de sobremesa dos seus cardápios. A seguir ela compartilha sua versão preferida de um clássico italiano, a panna cotta. 

Panna cotta

Panna cotta de chocolate branco e cerejas

Ingredientes (para 4 porções)

  • 500 g de creme de leite
  • 70 g de açúcar
  • 150 g de chocolate branco
  • 6 g de gelatina incolor
  • 200 g de cerejas frescas sem caroço, cortadas ao meio 
  • 50 g de cerejas inteiras
  • Folhas de menta (a gosto)

Modo de fazer:

  • Hidratar a gelatina em água fria. Picar o chocolate branco e reservar.
  • Misturar em uma panela pequena o creme de leite com o açúcar e cozinhar sob fogo médio até começar a ferver. Retirar do fogo, jogar a preparação sobre o chocolate reservado e mexer até que fique uma mistura homogênea. 
  • Acrescentar a gelatina, mexer até se dissolver por completo na preparação.
  • Repartir a panna cotta em porções individuais, intercalando uma camada de cerejas descaroçadas e outra de panna cotta até terminar de encher as tigelas. 
  • Deixar na geladeira até endurecer, por cerca de 3 horas. 

No momento de servir, decore cada porção com cerejas cortadas ao meio e outras inteiras, além de colocar uma folhinha de menta fresca.

Cerejas argentinas for export

A Argentina vende para o exterior grande parte de sua produção e se encontra entre os nove primeiros exportadores mundiais de cerejas, de acordo com dados do setor. No hemisfério sul, compete com o Chile e com a Nova Zelândia. 

Tradicionalmente, o cultivo se concentrava na província de Mendoza, mas com o passar do tempo outras províncias foram somando superfícies plantadas, como Neuquén, Rio Negro, Chubut e Santa Cruz.

Panna cotta

Curiosidades

  • A cerejeira é cultivada desde a Pré-historia na região do Mar Negro e do Mar Caspio. Foram encontrados caroços em abundância em assentamentos humanos da Idade da Pedra datados de cerca de 6 mil anos a.C.
  • As “sakura”, as cerejeiras ornamentais do Japão e suas flores, são um dos símbolos mais conhecidos da cultura nipônica. Simboliza a união familiar, a amizade e a efemeridade da vida. 
  • Na China, as cerejas são consideradas um presente suntuoso para as comemorações de fim de ano.
  • O nome “cereja” vem de Cerasonte, cidade italiana onde o cultivo desta fruta se desenvolveu intensivamente. 
  • Os romanos estenderam seu cultivo através da técnica do enxerto e deram origem a novas variedades ao longo do tempo. As cerejas formavam parte das rações dos soldados e, à medida que viajavam, os caroços descartados por eles se transformaram nas árvores que se proliferaram em todo o império. Há um ditado popular que diz que, para chegar a Roma, basta seguir o caminho marcado pelas cerejeiras silvestres.

Cerejas e vinhos. Já que falamos de Trevelin, nada melhor que provar os Pinot Noir desta região (que inclusive já conta com sua própria IG). Explica Chiaradia: “Os três vinhedos mais antigos da região são Viñas del Nant y Fall, Casa Yagüe e Contra Corriente. Os Pinot Noir que essas vinícolas produzem têm uma acidez pronunciada, são frutais e frescos e combinam perfeitamente com as cerejas”.

Ainda sem sair dos vinhedos patagônicos, outra opção imbatível para acompanhar o sabor das cerejas são os espumantes rosé de Rio Negro e Neuquén, elaborados também com base de Pinot Noir. Entre eles se destacam H.Schroeder Brut Rosé, Mantra Rosé Extra Brut, de Secreto Patagónico, e Humberto Canale Espumante Rosado Dulce.

Agora você já sabe. Panna cotta com cerejas e vinhos da Patagônia, uma festa para os sentidos.

Continue lendo sobre os vinhos da Patagônia argentina. É só clicar neste link: Os Novos Vinhos da Patagônia Austral

Comments

No comments yet. Why don’t you start the discussion?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *