GPS Malbec: Qual o sabor de cada região?

mapa do vinho Malbec

O mapa do vinho Malbec pode ser fascinante quando você tem o GPS correto. Plantada em toda a Argentina, de norte a sul, a uva Malbec muda de sabor dependendo da região. A questão é saber qual é o perfil de cada uma para saber qual será mais agradável ao seu paladar.

Mas as especificidades da Argentina podem enganar, principalmente do ponto de vista de um consumidor acostumado a olhar o vinho com parâmetro europeu. É que as regiões mudam menos pela latitude do que pela altitude: com a cordilheira dos Andes como espinha dorsal, cada uma das zonas tem alturas que modificam profundamente a temperatura de uma região. E com ela o sabor do Malbec.

Um exemplo para ficar claro: na Europa é preciso percorrer 600 quilômetros entre a Itália e a França para conseguir a mesma variação de climas que Mendoza oferece em 60 quilômetros, apenas subindo em direção à cordilheira.

No entanto, o sabor do Malbec pode ser sintetizado, em termos simples, por regiões, seguindo o mapa de altitude. Conforme descrevemos a seguir.

Mapa do vinho Malbec: terroir do Norte

O sabor do Malbec da região Norte, devido à altitude em que é cultivado, é tão único quanto fascinante: com grande intensidade, cor violeta opaca, nos aromas oferece um forte traço de especiarias e fruta madura em compotas, enquanto na boca se sente encorpado. Aqueles que estão em alturas extremas – mais de 2.200 metros acima do nível do mar – ajustam ainda mais o frescor e refinam o paladar.

Os três grandes terroirs de Mendoza

85 de cada 100 garrafas de vinho Malbec são produzidas em Mendoza. A província é sinônimo de um estilo: o Malbec com ameixas secas e de paladar amplo, doce como geléias, que resultam da combinação de todas as regiões. Mas se o GPS for ajustado em regiões menores, até três estilos definidos podem aparecer.

O Malbec de Luján de Cuyo , por exemplo, em torno de 900 e 1000 metros de altura, é roxo, com fruta madura com bom corpo, frescura moderada e taninos amplos e macios, como se fosse um vinho musculoso.

Vale do Uco possui vinhedos plantados de 1100 a 1500 metros. O ar fresco da montanha e o sol conferem ao Malbec um caráter diferente: púrpura brilhante, os aromas lembram frutos vermelhos e pretos frescos, com pitadas de ervas e até florais. De médio a bom corpo, acidez alta para a média local, do tipo que pressiona as gengivas com delicadeza.

O Leste , em direção ao deserto, funciona da mesma forma que a área central de San Juan. Lá, entre 550 e 800 metros, o calor do verão propõe vinhos tintos de média intensidade, maduros e impressionantes nos aromas, cuja riqueza alcoólica combinada com moderada frescura os torna simples.

San Juan

A segunda província em volume é também um mosaico semelhante ao de Mendoza. Só que com dois terroirs muito diferentes: Pedernal, que entre 1200 e 1500 metros acima do nível do mar oferece tintos semelhantes aos do Valle de Uco, ancorados na frescura e na intensidade; e os da planície, conhecida como vale de Ullúm, que a 500 metros acima do nível do mar funciona como o leste, com Malbec de corpo e intensidade médios.

Patagônia

Tem Malbec na região, claro, mas é preciso diferenciar. Os da província de Neuquén, com vinhas relativamente novas, assemelham-se aos de Luján de Cuyo, com cor intensa, ricos aromas maduros e bom corpo com moderada frescura. Já os de Río Negro, no entanto, são mais parecidos com os de Valle d Uco, mais roxos, com frutas vermelhas e pretas, além de um traço herbal cujo paladar é medianamente encorpado e com frescor e taninos mais firmes.

Basicamente, esses termos em linhas gerais servem como um guia essencial. Ajustando ainda mais a precisão do GPS, é possível ser ainda mais específico. Um exemplo? A comparação dos vinhos de Gualtallary e Paraje Altamira, dois famosos terroirs de Mendoza, que produzem resultados muito diferentes. Mas isso você chega a notar quando alcança o nível Jedi.

Se você gostou desse artigo, não deixe de ler: ¿Malbec Nouveau? Vinho argentino adota maceração carbônica

Comments

No comments yet. Why don’t you start the discussion?

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *